Distrito Federal, mais que o capital da República

“O Centro-Oeste tem interesses comuns e quanto mais a gente se articular para debater os temas e construir alternativas, juntos, para os desafios da região, melhor para todos.”Rodrigo Rollemberg, governador de Brasília

Brasília é um importante polo econômico da região e detentor do maior PIB per capita do Brasil

Brasília é muito mais que o centro político do Brasil, é um polo econômico em uma cidade atípica e diversificada. Possuímos um expressivo mercado consumidor, com 2,9 milhões de pessoas com renda média até três vezes maior que a nacional, o que evidencia um grande potencial de desenvolvimento.
As redes ferroviárias e rodoviárias, que nessa época estavam em pleno funcionamento em função da construção da cidade, ao longo dos anos foram se expandindo, o que estimulou uma maior ocupação do Centro-Oeste do Brasil. Esse processo, inclusive, continua até hoje.
A partir dos anos 90, a construção civil perdeu força e não era mais a grande propulsora da economia local. Foi aí que entrou o setor de serviços, que já em 1995 empregava 75% da população economicamente ativa do Distrito Federal. Atualmente ele é responsável por 71% de toda a atividade econômica. O principal destaque vai para o segmento de informação (telefonia móvel, acesso à internet e TV por assinatura), que cresce a cada ano.
Outro setor da economia que está em expansão desde os anos 80 é o turismo. Nossa cidade está estruturada para receber visitantes para lazer e cultura e, quando procuram a cidade para negócios, não é raro esticarem a permanência para aproveitar o que a cidade tem de melhor. Brasília, inclusive, está agrupada na categoria “A” pelo Ministério do Turismo, o que quer dizer que é um destino com grande fluxo turístico e maior número de empregos e estabelecimentos no setor de hospedagem.
Por ser considerada Patrimônio da Humanidade pela Unesco, a prioridade da capital é incentivar o desenvolvimento de indústrias que não sejam poluentes, como as da área de tecnologia. Assim, mantemos o equilíbrio ecológico ao mesmo tempo que geramos empregos. Atualmente, Brasília é referência em economia criativa. Música, teatro, dança, moda, novas mídias, televisão, games e outras produções artísticas fazem parte desse setor que cresce a cada ano. Já são mais de 22 mil pessoas na economia criativa no Distrito Federal, o que significa 1,5% da fatia do mercado local.
Inovação e desenvolvimento são palavras-chave e cada dia mais pretendemos unir as regiões administrativas e transformar Brasília em um grande polo econômico, trazendo novos investimentos e incentivando nossas produções locais.

Distrito Federal em números
• População: 2.977.216 (estimativa 2016 – IBGE) / 2.570.160 (Censo 2010)
• Área (em km²): 5.779,999
• Densidade Demográfica (habitantes por km²): 515,17 (estimativa 2016)
• Quantidade de municípios: 1
DADOS ECONÔMICOS E SOCIAIS
• Produto Interno Bruto (PIB): R$ 175,3 bilhões (ano de 2013)
• Renda per Capita: R$ 64.925  (ano de 2013)
• Índice de Desenvolvimento Humano (IDH): 0,824 – elevado (PNUD – 2010)
• Principais Atividades Econômicas: serviços, comércio, atividades ligadas à administração pública
• Mortalidade Infantil (antes de completar 1 ano): 11 por mil (em 2015)
• Analfabetismo: 3,5% (2010)
• Expectativa de vida (anos): 77,6 (em 2015)
• Taxa de fecundidade: 1,57 filho (em 2015)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *