O desafio brasileiro de abastecer o mundo

A crescente demanda por alimentos ganha destaque mediante a estimativa de que a população mundial cresce a um ritmo de 1,2%. Isso significa que aproximadamente 211 mil pessoas nasçam por dia. Assim, no mundo todo ganha força a preocupação com a difícil tarefa de suprir as necessidades alimentares, que aumentam na proporção do contínuo avanço populacional.

Segundo a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura), apenas 40% das terras do planeta são agricultáveis. E nós, brasileiros, temos um papel essencial no abastecimento do planeta, pois possuímos território, condições climáticas e mão de obra. Ademais, contamos com dois grandes aliados: conhecimento tecnológico e políticas públicas adequadas.

 

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), desde 1990 a expectativa de vida aumentou em média seis anos (passando de 62 para 68 anos de vida entre os homens e de 67 para 73 entre as mulheres). Ora, se vivemos por mais tempo, com maior poder aquisitivo e com populações cada vez maiores (sobretudo em países emergentes), a consequência mais importante é a elevação da demanda por produtos agrícolas, que são a base da alimentação.

Para que a necessidade interna seja suprida e o Brasil consiga margem para exportação, é preciso que nossa produção cresça nada menos do que o dobro da média mundial. Desse modo, o mundo nos coloca a notável responsabilidade de abastecê-lo. Tal expectativa não se sustenta à toa.

Hoje, apenas 7,8% de todo o território nacional é cultivado. Há somente 65,9 milhões de hectares utilizados, de um total de 851 milhões (180 milhões de hectares servem a pastos), segundo dados da Embrapa validados pela NASA. Ou seja, o potencial territorial é gigantesco, como é nossa força de trabalho agrícola.

Números como esses indicam que o país tem o que precisa para cumprir sua missão. Porém, para que os resultados cultivados floresçam, é preciso evoluir o que já está no caminho certo. Nos últimos oito anos, o fator que mais contribuiu para a produção agrícola foi o tecnológico. Evidentemente, há condições extremamente favoráveis, como a abundância de água e luz, mas de nada elas valeriam se não houvesse um forte caráter inovador na agricultura brasileira.

As Políticas Públicas direcionadas prioritariamente às famílias de baixa renda, tais como para o desenvolvimento e fortalecimento da segurança alimentar e nutricional, tendo como um dos desafios o enfrentamento do crescente aumento de sobrepeso e obesidade responsáveis por diversas doenças crônicas como diabetes e hipertensão, contribuíram para a ampliação do acesso a alimentos e a direitos sociais. Este é o desafio do crescimento permanente da balança comercial brasileira da agricultura familiar que tem a atividade produtiva agrícola a principal fonte geradora de renda dessas famílias.

O Brasil possui a melhor aplicação de tecnologia ao ambiente tropical do mundo. Solos ácidos corrigidos, materiais genéticos adaptados e grande aparato tecnológico em máquinas, equipamentos e produtos, por exemplo, tornaram áreas consideradas de baixo potencial em verdadeiros oásis de produção. Além disso, os modernos sistemas de agricultura de precisão racionalizam o uso dos recursos e o entendimento sobre os processos biológicos. Assim, incorpora-se aos sistemas de produção estratégias de controle biológico de pragas, fixação biológica de nitrogênio, bioativadores e fertilizantes organominerais. Avançou-se na biotecnologia, com inovações na parte de gestão e de informação.

Também, possui fundamental importância a participação de serviços de assistência técnica e extensão rural, que empreendem uma constante ação transformadora da realidade social. Conformam uma ponte entre a produção de conhecimento e a produção agropecuária. Os extensionistas desenvolvem meios para que o agricultor (sobretudo o pequeno) incorpore ao dia a dia as pesquisas oriundas das universidades e da indústria. Essa apropriação se dá de forma compatível com os recursos disponíveis na propriedade rural, priorizando práticas agrícolas que preservam e recuperam o meio ambiente.

Com essa relação íntima com a sustentabilidade, o setor se destaca por seu potencial e porque une a essa força uma característica fundamental: compatibiliza uma maior produção agrícola com a preocupação ambiental. Segundo o MAPA, nos últimos 30 anos a taxa média anual da produtividade total foi de 3,5%. Esses resultados mostram sem dúvida que a tecnologia tem sido o principal fator a estimular o crescimento da agricultura. Com isso, poupamos mais de 50 milhões de hectares de matas ou cerrados.

Assim, tanto a agricultura familiar quanto o agronegócio brasileiro, mostram que tem as condições necessárias para crescer o que se espera, criando empregos, riquezas, renda, excedentes exportáveis e empurrando para cima o setor urbano industrial. A área rural move a gigantesca roda da economia nacional e ainda alimenta nossa balança comercial. Gera renda para a cidade e o campo, agregando valor nas indústrias de alimentos e, energia e fibras (como vestuário, fiação e moda).

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *