Comunidade começa a definir nova universidade de Rondonópolis

A comunidade universitária começa a discutir os próximos passos para a implantação definitiva do Universidade Federal de Rondonópolis (UFR). A criação foi aprovada, na semana passada, pelo Senado Federal e aguarda a sanção presidencial.

De acordo com o projeto aprovado, a Federal de Rondonópolis se desmembra da Universidade Federal de Mato Grosso, com sede em Cuiabá, com a transferência automática dos cursos de todos os níveis e dos alunos regularmente matriculados, assim como os cargos ocupados e vagas do quadro de pessoal da universidade original e todo o patrimônio do campus.

Prevê também a criação de novos cargos de docentes e técnico-administrativos, além de cargos comissionados e de direção e funções gratificadas. Serão criados, ainda, por transformação, os cargos de reitor e vice-reitor, que serão nomeados pelo ministro da Educação até que a respectiva universidade seja organizada na forma de seu estatuto.

Durante a reunião, realizada nesta quinta-feira, em Rondonópolis, a comunidade universitária ouviu do senador sobre o processo de aprovação na Câmara Federal e no Senado. Já o Comitê Pró-UFR também relembrou os 10 anos de luta para a concretização do sonho.

“Agora, precisamos discutir qual a universidade que queremos e que atenda a vocação econômica e social da região”, diz o senador.

Segundo ele, um seminário a ser realizado pela Comissão de Educação do Senado Federal, em Rondonópolis, provavelmente em abril, também deve servir de momento para discussão dos próximos caminhos da UFR.

A pró-reitora, Analy Castilho Polizel, lembra que, já no próximo ano, a UFR deve ter o seu próprio orçamento, já que se desmembrou da Universidade Federal de Mato Grosso. “Precisamos começar a definir esse orçamento. E esse é só um dos temas”, disse. “Vamos dialogar muito com a sociedade”.

Um dos membros do Comitê Pró-UFR, Miguel Mendes, diretor-executivo da Associação de Transportadores de Cargas, reconheceu o trabalho do senador para a aprovação da nova universidade e sugeriu a necessidade de trazer gestores de universidades que passaram pelo mesmo processo de desmembramento para contribuir na definição dos próximos passos da UFR. “Precisamos definir como será a transição”, disse. Uma das propostas é contar com a consultoria dos gestores da Universidade de Dourados (MS), recentemente criada como resultado do desmembramento da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *