‘Truculência policial escancara o arbítrio de um governo em putrefação’, denuncia Carlos Naves

Da Redação

O advogado Carlos Naves, candidato a deputado federal pelo Partido Verde, emitiu nota no início da tarde desta quinta-feira (30.08) sobre o episódio que protagonizou na noite do dia anterior, quando foi perseguido e abordado de forma truculenta por uma tropa de mais de vinte policiais militares fortemente armado, pertencentes à Força Tática da PM.

Na nota, Carlos Naves refuta a versão policial de que fora flagrado dirigindo embriagado e que tenha desacatado as autoridades. Para ele, a ação dos policiais “escancara o arbítrio de um governo em putrefação” e um “atentado ao estado democrático de direito”, permitindo que “uma importante força do aparelho de segurança pública seja colocada a serviço de investidas privadas e interesses políticos desprezíveis”.

Carlos Naves contrapõe alguns pontos que, segundo ele, “desmascara a empreitada policial” contra a sua pessoa. “Por que, se eu estivesse de fato com suspeita de embriaguez ou de qualquer outro ato ilícito, a polícia não me abordou imediatamente, preferindo me seguir e fazer uma abordagem na frente do meu escritório, tentando me humilhar na frente de minha família e de meus vizinhos?”, indaga ele na nota. “Qual o interesse disso?”, acrescenta.

O advogado levanta outra questão: “Por que um aparato de seis viaturas e mais de 20 policiais fortemente armados para abordar um advogado, um pai de família, vindo do aniversário de 1 ano do filho de um amigo?” E emenda: “Ademais, há contradições na narrativa dos policiais, que ora falam de furo de cerco numa blitz e ora mencionam uma ronda. Em ambos os casos, no entanto, o modus operandi dos policiais foi totalmente fora do padrão”.

Outro ponto a ressaltar é o fato de os policiais desrespeitarem totalmente a minha prerrogativa de advogado, numa abordagem praticamente dentro do meu escritório e num claro flagrante forjado”, afirmou Carlos Naves. “Trata-se de um flagrante atentado ao estado democrático de direito”, agregou.

Por fim, Carlos Naves considera que a atuação da PM fora dos padrões e “com claro viés político e persecutório, escancara o descontrole que o atual governo de Mato Grosso sucumbe em relação à sua Polícia Militar, força respeitada por mim e por toda a população, mas frequentemente usada e abusada em atos ilícitos da administração comandada pelo senhor José Pedro Taques”.

Confira a íntegra da nota distribuída pelo advogado:

Nota à Imprensa e ao Povo de Mato Grosso

‘Truculência policial escancara o arbítrio de um governo em putrefação’

Na noite de 29 de setembro de 2018, última quarta-feira, retornando do aniversário do filho de um amigo, fui surpreendido na porta do meu escritório de advocacia, na Vila Aurora, em Rondonópolis, pela abordagem truculenta de mais de 20 policiais militares em seis viaturas da Força Tática, tropa de elite da nossa gloriosa Polícia Militar do Estado de Mato Grosso.

De forma agressiva comigo e minha família, tendo arrancado de minha filha seu celular de forma violenta de suas mãos, quando registrava o ato insano e covarde dos policiais, fui acusado de ter furado o cerco de uma blitz e dirigir embriagado.

Pelo fato de eu não ter submetido, acuado e subserviente a tamanho desrespeito dos meus direitos de cidadão e de minhas prerrogativas como advogado, fui conduzido à delegacia e denunciado por condução indevida do meu veículo e desacato à autoridade.

Diante de tamanha arbitrariedade e da disseminação de notícias falsas sobre o episódio, venho esclarecer à Imprensa e ao Povo de Mato Grosso a verdade dos fatos, que desmascara a empreitada policial contra minha a pessoa.

1 – Por que, se eu estivesse de fato com suspeita de embriaguez ou de qualquer outro ato ilícito, a polícia não me abordou imediatamente, preferindo me seguir por quilômetros e fazer uma abordagem na frente do meu escritório, tentando me humilhar na frente de minha família e de meus vizinhos? Qual o interesse disso? O que está por detrás de uma ação totalmente fora dos padrões de abordagem?

2 – Por que um aparato de seis viaturas e mais de 20 policiais fortemente armados para abordar um advogado digno, um pai de família íntegro, vindo do aniversário de 1 ano do filho de um amigo? Que tipo de crime requer tamanha mobilização policial? Certamente as ruas de Rondonópolis, onde com frequência ocorrem assassinatos à luz do dia, não necessitam de tal tipo de atuação.

3 – Ademais, há contradições na narrativa dos policiais, que ora falam de furo de cerco numa blitz e ora mencionam uma ronda. Em ambos os casos, no entanto, o modus operandi dos policiais foi totalmente fora do padrão.

4 – Outro ponto a ressaltar é o fato de os policiais desrespeitarem totalmente a minha prerrogativa de advogado, numa abordagem praticamente dentro do meu escritório e num claro flagrante forjado. Trata-se de um fragrante atentado ao estado democrático de direito. Se fazem assim com um advogado cuja vida pública é notória na sua cidade e em todo o Estado, o que não fazem com um cidadão comum.

5 – A atuação da PM fora dos padrões tem um claro viés político e persecutório, demonstrando que minha pessoa, meus posicionamentos políticos, minha coerência, incomodam poderosos que não possuem intimidade com a democracia.

6 – Por fim, a prática dos policiais escancara o arbítrio de um governo em putrefação, permitindo que uma importante força do aparelho de segurança pública seja colocada a serviço de investidas privadas e interesses políticos desprezíveis, demonstrando o descontrole e que governo de Mato Grosso sucumbe em relação à sua Polícia Militar, força respeitada por mim e por toda a população, mas que é frequentemente usada e abusada em atos ilícitos da administração comandada pelo senhor José Pedro Taques.

Diante do exposto, informo que junto com meu partido, o PV, estamos solicitando um posicionamento das demais agremiações que compõem nossa coligação e também da Ordem dos Advogados do Brasil sobre o total desrespeito dos policiais para com um advogado e que a Secretaria de Segurança Pública tomem as devidas providências.

Também estamos estudando, junto com meus advogados e meus companheiros de partido, a necessidade de pedido de proteção federal ante as ameaças que eu e minha família estamos sofrendo há alguns últimos meses.

Carlos Naves, advogado e candidato a deputado federal.

2 comentários em “‘Truculência policial escancara o arbítrio de um governo em putrefação’, denuncia Carlos Naves

  • domingo, 2 de setembro de 2018 em 20:28
    Permalink

    Muito bem bem! Se 5 viatuaras convencionais e uma da força tática persegue uma advogado Que supostamente para num sinal vermelho, isso prova que em Rondonópolis estamos bem servidos de polucia e viaturas. Ninguém pode reclamar! Para os menos avisados, estou sendo hipócrita.

    Resposta
  • domingo, 2 de setembro de 2018 em 20:30
    Permalink

    Muito bem! Se 5 viatuaras convencionais e uma da força tática persegue um advogado que supostamente pasa num sinal vermelho, isso prova que em Rondonópolis, estamos bem servidos de polícia e de viaturas. Ninguém pode reclamar! Para os menos avisados, estou sendo hipócrita.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *