Por que a Primeira-Dama Michele Bolsonaro tinha que falar na posse?

Por Charles Brasil

Parafraseando o presidente Lula (2003-2010): “nunca antes na história deste país” uma primeira dama falou na posse de um presidente da república. Mas por quais motivos a Primeira Dama Michele Bolsonaro falou na posse do esposo, momentos depois da entrega da faixa presidencial?

Bem, minhas suposições têm um fundamento político. Ela foi orientada a falar por um motivo político, então, qual seria esse motivo?

Para uma resposta a suposição levantada aqui se faz necessário relembra um episódio, supostamente criminoso, ainda não esclarecido pelas autoridades responsáveis e nem pela família Bolsonaro.

É o caso QUEIROZ e as movimentações bancárias suspeitas que o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) apresentou. Os relatórios dão conta de que Fabrício Queiroz movimentou mais de um milhão de reais em um ano, repassando, inclusive, dinheiro para Michele Bolsonaro, como já disse Jair Bolsonaro e o próprio Queiroz.

Ou seja, a primeira dama se encontra, segundo o próprio COAF, no centro de supostos crimes financeiros, o que arruína a imagem da própria Michele Bolsonaro e de seu esposo.

Eis, então, a motivação da fala da primeira dama no dia da posse. Na verdade, Michele Bolsonaro precisava desviar o foco da situação constrangedora que foi envolvida ao receber dinheiro, supostamente advindo da corrupção. E assim, “conquistar o coração da nação”. Era necessário causar emoção nas pessoas, afinal de contas somos seres que adoramos ver e vivenciar emoções.

Portanto, nada mais apropriado do que falar de um tema simpático ao público para ganhar a confiança e o respeito das pessoas. E deu certo, a primeira dama cumpriu bem o papel que lhe foi passado. Ela causou!

O fato que não pode cair no esquecimento é que o Ministro da Justiça Sérgio moro precisa investigar essas movimentações suspeitas realizadas por Fabrício Queiroz, ex-assessor do filho de Bolsonaro, e apontadas pelo COAF. E punir eventuais corruptos.

Caso contrário, ficará evidenciado que o combate a corrupção que o Ministro diz que realizará na pasta será, exclusivamente, voltado para os adversários políticos do presidente Jair Bolsonaro. Nesse quesito, o Ministro Moro já tem uma larga experiência trazida de Curitiba.

* Charles Brasil, Advogado e Professor. Mestre em Direito pela Universidade de Brasília (UnB).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *