Imobiliária Piloto refuta acusações da Brasiliense Imóveis

Representantes da Piloto emitiram nota de esclarecimento em que também anuncia processos contra a empresa que cobra novos pagamentos dos moradores do Jardim ABC

Por João Negrão/Da Editoria

A Piloto Empreendimentos Imobiliários Ltda. refutou as acusações feitas pelo representante da Empresa Brasiliense de Imovéis, nas quais o advogado Felipe Boni de Castro acusa a proprietária Míriam Luzia de Lima de ser estelionatária no caso da venda dos imóveis do Jardim ABC, distrito do município de Cidade Ocidental (GO), no entorno de Brasília. A imobiliária, que vendeu originalmente os terrenos, lembra que foi contratada em 1978 pelo antigo proprietário da área (uma antiga fazenda), Carlos Eduardo Teixeira Furquim de Campos , “para vender e administrar o loteamento”.

“Quanto a imobiliária Brasiliense e o representante dos herdeiros da família Furquim, já entramos com alguns processos judiciais tanto no DF quanto no GO, para que reconheçam a legitimidade das vendas realizadas pela imobiliária Piloto. Diante disso, a acusação do representante de que a atual proprietária da imobiliária Piloto é infundada e caluniosa e já estamos tomando a devida providência quanto a isso. Estamos de portas abertas para receber qualquer pessoa que queira conversar conosco pessoalmente para quaisquer esclarecimentos”, afirmam Marcos Hamilton de Lima e Juliano Abadio Caland, respectivamente gerente Comercial e advogado da Piloto, em nota enviada ao site Repórter Brasil Central.

Os representantes da Piloto lembram as vendas feitas pela imobiliária no Jardim ABC, na época pertencente ao município de Luziânia (GO), “conforme consta das certidões adquiridas no cartório de registro desta mesma cidade”, “estão devidamente documentadas e de acordo com o contrato de administração e venda firmado, bem como procurações assinadas pelo Sr. Carlos Eduardo Furquim e esposa”.

“A imobiliária Piloto”, prossegue a nota, “não está renegociando lotes já vendidos e quitados, somente cobra daqueles clientes que estão em atraso de pagamento de seu carnê, referente a compra legítima de lotes com a nossa empresa. Lembrando que esta referida imobiliária, recomprou de clientes aproximadamente 200 lotes, toda compra essa documentada e registrada em cartório”, finaliza a nota de esclarecimento.

Entenda o caso

O caso do Jardim ABC está envolto em uma intricada situação envolvendo renegociações de pagamentos de compra dos imóveis do antigo loteamento administrado pela Piloto. Tudo começou quando representantes da Empresa Brasiliense de Imóveis apareceu com procurações dos herdeiros de Furquim de Campos alegando que as vendas estavam revogadas e que se os moradores quisessem permanecer com os lotes teriam que pagar novamente.

A Brasielense levou o caso para mediação no Centro Judiciário de Soluções de Conflitos e Cidadania (Cejusc), do Fórum de Justiça da Cidade Ocidental, que continua homologando parte dos acordos. Outra parte está sendo feita na própria sede da Brasiliense, em Brasília. Ocorre, que os proprietários denunciam que esses acordos estão sendo feitos mediante intimidações, como a tomada dos imóveis. A Brasiliense negou as intimidações e afirmou que o que está sendo feito são “regularizações fundiárias”.

No dia 20 de junho a reportagem do Repórter Brasil Central participou de uma reunião com moradores prejudicados, na qual eles relatam as arbitrariedades que vêm sofrendo. Confira a matéria aqui neste link: http://www.reporterbrasilcentral.com.br/2019/06/24/moradores-do-jardim-abc-denunciam-imobiliaria-por-tentativa-de-tomar-seus-imoveis/

Confira a nota da Piloto Empreendimentos Imobiliários:

Esclarecimentos a população do Jardim ABC, quanto a reportagem do site Repórter Brasil Central

A imobiliária Piloto, foi contratada no ano de 1978, pelo Sr. Carlos Eduardo Teixeira Furquim de Campos e sua esposa, para vender e administrar o loteamento denominado Jardim ABC, na época pertencente ao município de Luziânia – GO, conforme consta das certidões adquiridas no cartório de registro desta mesma cidade. Todas as vendas feitas pela imobiliária estão devidamente documentadas e de acordo com o contrato de administração e venda firmado, bem como procurações assinadas pelo Sr Carlos Eduardo Furquim e esposa.

A imobiliária Piloto não está renegociando lotes já vendidos e quitados, somente cobra daqueles clientes que estão em atraso de pagamento de seu carnê, referente a compra legítima de lotes com a nossa empresa. Lembrando que esta referida imobiliária, recomprou de clientes aproximadamente 200 lotes, toda compra essa documentada e registrada em cartório.

Quanto a imobiliária Brasiliense e o representante dos herdeiros da família Furquim, já entramos com alguns processos judiciais tanto no DF quanto no GO, para que reconheçam a legitimidade das vendas realizadas pela imobiliária Piloto.

Diante disso, a acusação do representante de que a atual proprietária da imobiliária Piloto é infundada e caluniosa e já estamos tomando a devida providência quanto a isso. Estamos de portas abertas para receber qualquer pessoa que queira conversar conosco pessoalmente para quaisquer esclarecimentos.

Atenciosamente,

Marcos Hamilton de Lima – Gerente Comercial

Dr. Juliano Abadio Caland – Advogado

Confira o original da nota em PDF: Esclarecimentos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *